terça-feira, 13 de abril de 2010

Convocação : Ato Público e Assembleia

Aula pública na Sexta feira
14 horas na praça João Pinheiro

Assembleia Geral
17 horas na praça João Pinheiro

NÃO PERCAM !

4 comentários:

JOSÉ ANACLETO DE FARIA disse...

A greve dos professores deveria servir para a sociedade refletir não apenas sobre a justiça de suas reivindicações, mas também sobre todo o sistema educacional vigente. Pelo menos, é o que se depreende das opiniões seguintes:

O Dr. José Ângelo Gaiarsa salienta: “O que restou em você depois de quinze anos de perda de tempo, sentado em uma cadeira, fazendo sabe-se lá o quê? Quinze anos de tortura e tédio, cujo conteúdo poderia ser aprendido em um ano, se alguém estivesse interessado nesse sentido.”.
Barry Stevens, que deixou o ginásio em 1918, porque o que queria saber não podia aprender na escola, comenta: “Grande parte de nossa dificuldade parece provir da conservação de uma crença. Se tenho a certeza de que é bom bater numa criança, de que é bom dar-lhe grande liberdade, os maus resultados me levarão apenas a insistir naquilo em que acredito. É o que parece ter acontecido com a educação. Não deu o que desejávamos, então vamos dar mais educação...”.
Roger Schank dispara: “Obrigar as crianças, que são tão diferentes umas das outras, a estudar a mesma coisa, no mesmo livro, na mesma página, na mesma hora. Isso é um absurdo completo. Aliás, estudar é um desperdício de tempo. Quem se lembra depois do que decorou à noite, na véspera de uma prova?”.
Falando na Universidade de Harvard, Carl R. Rogers tirou literalmente o sono de muita gente quando falou: “Creio que aquilo que se pode ensinar a outra pessoa não tem grandes conseqüências, como pouca ou nenhuma influência significativa tem sobre o comportamento (...) Sinto que o aprendizado que influencia significativamente o comportamento é o aprendizado autodescoberto, auto-apropriado (...) Um conhecimento autodescoberto, essa verdade que foi pessoalmente apropriada e assimilada à experiência de um modo pessoal, não pode se comunicar diretamente a outra pessoa (...) Compreendi que tinha perdido o interesse em ser professor (...) Sinto que os resultados do ensino ou não tem importância ou são perniciosos (...) Quando considero os resultados do meu ensino passado, a conclusão real parece ser a mesma – ou foi prejudicial ou nada de significativo ocorreu. Isso é francamente aflitivo (...) Deveríamos renunciar aos exames. Eles medem apenas o tipo de ensino inconseqüente (...) Deveríamos acabar com graus e avaliações acadêmicas (...) Deveríamos abandonar os diplomas como títulos de competência.”
Huberto Rohden concorda com a opinião de Rogers quando diz: “Só existe auto-educação; não existe alo-educação (educação de fora para dentro). Ou o homem se educa ou não se educa. Outros não podem educar-me; só podem mostrar-me o caminho pelo qual eu me possa educar.”

JOSÉ ANACLETO DE FARIA disse...

A preocupação é antiga. Em 1937, Aldous Huxley escreveu: “A educação tradicional é um treinamento para a vida em uma sociedade hierárquica, militarista, na qual as pessoas são abjetamente obedientes a seus superiores e desumanas com seus inferiores (...) Milhões de crianças têm passado milhões de horas sob a disciplina escolar, lendo a Bíblia e escutando reprimendas – e os povos do mundo preparam-se para uma carnificina geral com mais empenho e mais cientificamente do que nunca.”.
Peter F. Drucker pergunta: “As escolas, sua estrutura, seu papel, seus objetivos e, acima de tudo, o que elas ensinam tornar-se-ão, cada vez mais, uma preocupação importante. O que conseguimos em troca de todos os anos que passamos nas escolas? (...) A maior fraqueza das escolas de hoje, que deve afetar os estudantes, é a camisa-de-força verbal (...) Mas o resultado é uma escola que, em lugar de formar, deforma. É uma escola de tédio, de falta de estímulo, de falta de realização e de satisfação. Não me surpreende o fato de os jovens fazerem tumultos. Surpreende-me sua paciência, considerando-se quão enfastiada está a maioria deles na escola, quase que constantemente.”
A.S. Neill, criador da escola SUMMERHILL segue a mesma linha: “A educação deveria ser uma preparação para a vida. Nossa cultura não tem tido grande sucesso. Nossa educação, nossa política, nossa economia, levam à guerra. Nossa religião não aboliu a usura , o roubo. (...) Pergunto que espécie de bem terreno pode vir de discussões sobre francês, ou história antiga, ou seja lá o que for se esses assuntos não valem um caracol quando comparados a perguntas maiores, relativas à natural realização da vida, da felicidade íntima do homem. (...) Os pais são tardos no compreender quanto é falho de importância o lado referente à escola. Crianças, como adultos, aprendem o que desejam aprender. Toda outorga de prêmios, notas e exames, desviam o desenvolvimento adequado da personalidade. Só os pedantes declaram que o aprendizado livresco é educação. Os livros são o material menos importante na escola. Tudo quanto a criança precisa aprender é ler, escrever, contar. O resto deveria compor-se de ferramentas, argila, esporte, teatro, pintura e liberdade. A maior parte do trabalho escolar que os adolescentes fazem é, simplesmente, desperdício de tempo, de energia, de paciência. Rouba à juventude seu direito de brincar, brincar e brincar: coloca sobre ombros moços cabeças velhas. (...) Educação de nível e diplomas universitários não fazem a mínima diferença na confrontação dos males da sociedade. Um neurótico letrado não faz diferença alguma de um neurótico iletrado. (...) Mas todos os laboratórios e oficinas maravilhosos nada fazem para ajudar o Joãozinho e a Maria a vencer os prejuízos emocionais e os males sociais nascidos da pressão sobre eles exercida pelos pais, pelos professores e pela qualidade coercitiva da nossa civilização.”

JOSÉ ANACLETO DE FARIA disse...

Filosofando com o Osho: “Qualquer coisa que a criança esteja fazendo, os adultos estão lá para dizer: Não faça isso! (...) O homem tem sido perturbado. Todos, de seus pais a seus professores, a escola, a faculdade, a universidade, sua religião, seus pregadores, seus vizinhos, todos estão tentando fazer de você uma outra pessoa, alguém que você não pode ser. (...) Na sociedade é muito difícil encontrar seres humanos que lhe dêem liberdade para ser você mesmo. Isso criou um mundo de retardados. As nações necessitam de idiotas. Senão quem vai lutar nas guerras? (...) Tudo o que está acontecendo, está acontecendo nesta vida, mas as religiões estão transferindo tudo para antes do nascimento ou para depois da morte. A estratégia é a mesma. O ponto fundamental é que você deve permitir que as pessoas o explorem. (...) Este globo nos pertence e todas as linhas do mapa são fictícias e falsas... A menos que os indivíduos comecem a mudar todo o sistema educacional... O sistema educacional deveria ensinar-lhe a arte de viver, deveria ensinar-lhe a arte de amar, deveria ensinar-lhe a arte de meditar, deveria finalmente ensinar-lhe a arte de morrer gloriosamente. O seu sistema de educação não é educacional. Ele cria apenas balconistas, chefes de estação, carteiros, soldados, e você chama isso de educação. Você foi iludido, ma a fraude é tão antiga que você a esqueceu completamente. (...)Todo o sistema educacional deveria estar concentrado no divertimento, no amor, na liberdade, na consciência, e em um tremendo respeito por tudo aquilo que está vivo”.

Anônimo disse...

Valeu Anacleto