quarta-feira, 26 de maio de 2010

De volta as aulas !


A categoria dos Trabalhadores da Educação de Muriaé e região decidiu hoje voltar as aulas a partir de amanhã. Foi firmado um acordo do sindUTE e governo onde os trabalahdores não são penalisados ou com prejuizo para sua carreira. Outra questão considerada positiva foi não haver corte de ponto, será efetuada uma folha suplementar e será pago entre 20 e 30 de junho. a reposição será feita mediante a elaboração de calendário e aprovação pelo colegiado escolar.

Ficaram grandes aprendizagens dessa greve para todos que participaram. A União foi o grande diferencial de toda a batalhapor dignidade e recomposição salarial. Digo que a tucanagem não esperava uma força de mobilização tão grande e tamanha repercussão na mídia em geral. O Movimento dos Trabalhadores da Educação em Gerve enfrentou com coragem as ameaças, a truculência, mentiras e liminares diversas. aguentou até onde pode e surpreendeu a todos com a maior mobilização de Trabalahdores dos últimos dez anos.

O professor volta de cabeça erguida por ter combatido um bom combate. Fez o seu papel e pode dar aulas de cidadania e direitos humanos debatendo com seus alunos a lições aprendidas no calor luta por justiça e dignidade. A Greve é um mal necessário. Hoje, o governo olha para o setor com um enxergar diferente. Ele percebe que a categoria está insatisfeita e em estado de alerta.

Vejo que o Movimento teve uma guinada estratégica. Não existe em nosso meio o sentimento de frustação pois ainda estamos na luta. A categiria sá baixará a guarda quando o objetivo principal for alcançado: "Piso Salarial Nacional - R$ 1312,00.

O Trabalhador da Educação que entrou na greve é sábio e consciente. É sábio por perceber que as conquistas só se darão por meio de muitas lutas. É consciente por participar da busca incansável pelo bem comum coletivo.

Pessoalmente eu só tenho que agradecer a presença dos companheiros e companheiras que partilharam comigo as alegrias e muitas angústias dessa luta !

Obrigado !

3 comentários:

Felipe disse...

Sandro, essa ideia para redução da carga horára semanal para 24 horas é um absurdo. Recebendo esse piso vocês querem ainda ter a disposição de trabalhar em mais quantas escolas? Virou domínio da força de trabalho? E falando é claro da questão que os professores defendem e pelo jeito é conversa fiada: PROFESSOR NA ESCOLA PARA AJUDAR O ALUNO, pelo jeito agora um professor ficando apenas 4,8 horas por dia na escola, não vai sobrar tempo nenhum para os alunos.
Graças a Deus hoje estou em outra cidade realizando minha graduação e fico pensando, será que meus amigos prejudicados terão a mesma oportunidade que a minha? Sem ter professores a disposição? Terá professores que só cumprem o que é dado - dar aulas? Gostaria de ouvir sua resposta.

Sandro Carrizo disse...

Caro Felipe.

Sou um educador que procuro cumprir com minhas obrigações profissionais. A carga horária dos professores variam de estado para estado ou de cidade para cidade. Se o profissional for valorizado e receber o que merece, com certeza, ele não vai ficar trabalhando em várias escolas. hoje, isso acontece porque o salário está defasado e para ter o mínimo de qualidade de vida o profissional tem que se desdobrar em vários locais de trabalho ( o que é permitido por lei). Fico feliz por estar realizando sua graduação...é sinal que teve bons professores que contribuiram e contribuem para sua formação acadêmica. Agora, o aluno que ficar somente naquilo que a escola oferece ele está esbarrado. É preciso que ele busque outras fontes de conhecimento, que use seu tempo na leitura de um bom livro, jornais e revistas. Quanto a redução de carga horária... não é essa a nossa luta. Em Minas Gerais a carga horária de um professor já é de 24 horas semanais ( 18 em sala e 6 horas para trabalhos extraclasse). Nossa luta é para a valorização do trabalho docente com salários dignos e condições apropriadas para o exercício da profissão de professor. Como disse me disse meu ex. professor e hoje colega de trabalho: " Quem luta também educa"

um grande abraço

Sandro Carrizo

Elisabete disse...

É isso aí Sandro. Que bom que vc esclareceu alguns pontos ao Filipe. Creio que ele, um aluno que cursa uma graduação, não estar a par de nossa luta. Afinal deve ser um bom aluno e como você mesmo disse, se está numa Faculdade deve ter tido bons professores que o ajudou muito. Não creio que uma pessoa esclarecida pense como ele escreveu. Com certeza ele não estava a par de tudo.
Atenciosamente.
Elisabete