sexta-feira, 18 de março de 2011

Criado o Conselho Municipal da Juventude de Muriaé

 Ontem, dia 17 de março de 2011, aconteceu na sala de reuniões da Secretaria Municipal de Ação Social a primeira reunião do Conselho Municipal de Políticas Públicas para a Juventude. Na reunião estiveram presentes representantes de vários seguimentos da Sociedade Civil e do Estado, os quais elegeram a diretoria do Conselho.

Assim, ficou decidido:

Presidente: Vinicius Mendes Ventura - IFOP
Vice-presidente: Victor - Secretaria Municipal de Ação Social - SMAS
Secretário: Juliana - PJ
Vice-Secretário: Vanilda - Rede de escolas estaduais e professores
Tesoureiro: Adelina - SMAS
Vice-Tesoureiro: Diogo- Secretaria Municipal de Saúde.

            Também formam o conselho, os representantes da FAFISM, CDModa, Senai, Movimento Pró-Cultura, FUNDART, Secretaria de educação, Pro-Jovem Adolescente, Escola Estadual Prof. Orlando de Lima Faria.
            É importante lembrar que o conselho ainda está em aberto para a participação de outras representações, tanto do Estado, como da Sociedade Civil.
           Outra coisa. No dia 31 de março de 2011, haverá a posse oficial do conselho pelo representante da Secretaria de Estado de Esporte e Juventude, no teatro Zaccarias Marques às 18hs.
           Daqui pra frente vamos caminhar juntos rumo à políticas públicas eficazes para as juventudes muriaeenses. Parabéns ao município e a todos os colegas conselheiros!

           Como diria o poeta suburbano: "Tamo junto".



Cristian Lima

Fonte: http://caminheiro-mg.blogspot.com/2011/03/

Um comentário:

JOSÉ ANACLETO DE FARIA disse...

Conselhos são órgãos colegiados, com representação tanto do governo como de diversos setores da sociedade civil. São partes integrantes do Poder Executivo – mas INDEPENDENTE dele –, e é através dos Conselhos que a sociedade civil participa (ou deveria participar!) do planejamento e da gestão cotidiana da cidade, atuando na formulação, proposição de estratégias e controle da execução das políticas públicas, inclusive em seus aspectos econômicos e financeiros.
Nos organogramas (veja blog http://www.orionossodecadadia.blogspot.com/), observa-se que os conselhos se encontram posicionados ao lado do nível hierárquico mais elevado, ou seja, ao lado do Ministro da Saúde, da Educação, do Secretário de Saúde e do Prefeito de Porto Alegre. Isso atesta sua grande importância na gestão dos negócios públicos.
Onde se encontram:
• posicionados (de fato e de direito) os Conselhos Municipais de Muriaé na estrutura organizacional do Poder Executivo?
• funcionando (endereços, telefones, e-mails, sites, blogs, etc.) os Conselhos (COMUPLAN, Saúde, Educação, etc.)?
• divulgadas as leis, regimentos, atas, planejamentos, decisões e trabalhos de nossos Conselhos?
Assim sendo, onde se encontram:
• o processo de gestão democrática inaugurado pela Lei nº 10.257/01 (Estatuto da Cidade)?
• a transparência prevista na Lei complementar nº 101/00 (Lei de Responsabilidade Fiscal)?
Deposito no Conselho Municipal da Juventude o saldo remanescente de minhas esperanças de se implementar em nossa cidade o processo de gestão pública democrático e participativo inaugurado pelo Estatuto da Cidade.
Presumo que se trata de jovens na faixa de 20-25 anos. É extremamente importante que toda sociedade se agarre a esta “tabua de salvação” e participe efetivamente do Conselho, pois, se for introjetada em suas mentes a mentalidade de conselho e de gestão pública municipal que vigora atualmente, poderemos ter, no mínimo, mais 50 (cinquenta) anos, um estilo de governo municipal que, na melhor das hipóteses, permanecerá centralizador, autoritário e tecnocrático, independentemente dos partidos e dos políticos que se encontrem no poder. Mas tudo sempre muito distante do modelo de gestão municipal democrático e participativo inaugurado pela Lei nº 10.257/01 (Estatuto da Cidade).
Por serem jovens, certamente estão acostumados a estudar. Desse modo, além das leis acima mencionadas, permito-me sugerir o estudo criterioso do Estatuto da Cidade: guia para implementação pelos municípios e cidadãos (CÂMARA DOS DEPUTADOS, 2001) e do Plano Diretor Participativo: guia para elaboração pelos municípios e cidadãos (MINISTÉRIO DAS CIDADES, 2004). E, de posse dos novos conhecimentos, analisem a Lei Municipal nº 3.377, de 17.10.06 (Plano Diretor) e o Decreto Municipal nº 3.101, de 01.12.06 (Regulamentação da Lei nº 3.377/06).
“Ideologia eu quero uma pra viver” – também é bom refletir sobre isso acima das necessidades materiais momentâneas, pois, hoje, milhares de pessoas – inclusive jovens -- se afogam em bebidas, drogas e antidepressivos por não ter um verdadeiro significado para suas vidas.