quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O Desfile da Independência e o Grito dos Excluídos

O desfile cívico do Dia da Independência foi marcado pelos projetos culturais que são desenvolvidos na cidade de Muriaé. Estivemos presentes no desfile junto ao IFOP, durante parte do percusso, com o projeto de literatúra " Crônicas do cotidiano" do amigo Elias Muratori. Destacamos também o desfile da CUFA( Central Única das Favelas) que fez um belo desfile com dezenas de componentes.





No fechamento do desfile cívico, logo após o Tiro de Guerra de Muriaé, aconteceu a manifestação do Grito dos Excluídos, que nesse ano trabalhou o tema " Pela vida grita a terra, por direitos todos nós"!. Os trabalhadores da Educação abriram suas faixas e se puseram valentemente na avenida. Por onde passARAM receberam apoio e aplausos. Podemos afirmar, sem medo de errar, que os trabalhadores sew fizeram vistos e suas demandas foram ouvidas pelas autoridades 

2 comentários:

JOSÉ ANACLETO DE FARIA disse...

Por que não se grita pela convocação da 1ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL SOBRE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DE MURIAÉ? POr que não se assina o abaixo-assinado que se encontra disponível no site http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N13101?

Anônimo disse...

Amigos combatentes do SINDUTE subsede Muriaé, estou afastada faz alguns anos da escola e me lembro que em épocas de greve éramos visitados por vocês, informados sobre as reinvindicaçôes da classe e incentivados a participar, a aderir; haviam as escolas de ponta: as primeiras a aderirem, reuniôes e piquetes nas escolas que não paravam... Hoje, vejo estarrecida, que a categoria muriaeense está em quase sua totalidade trabalhando tranquilamente, alheios ao momento tão histórico para a classe dos professores mineiros. Parece que não estão enxergando a dimensão do que este DESgovernador está fazendo com nossos direitos adquiridos a dura penas ao longo de 30 e tantos anos de sala de aula. " O que o SINDUTE Muriaé está fazendo para conscientizar nossos amados e guerreiros professores de que já passou da hora de eles darem sua quota de contribuição e sacrifício de reposição em favor deles mesmos. Não estou reconhecendo os colegas de trabalho e nem o sindicato. Ambos parecem inertes diante de tão grave situação da carreira do Magistério, parece que não viram que agora é tudo ou nada pela nossa remuneração e carreira. FORÇA PARA VOCÊS QUE ESTÃO EM GREVE. APLAUSOS!!!!!!